PÁGINA INICIAL DICIONÁRIO          LITERATURA                 QUEM SOMOS              FALE CONOSCO                    100 ERROS               SIMULADOS

                                                JORGE AMADO (1912-2001)

Jorge Amado é talvez um dos autores mais conhecidos pelo público jovem. Isto porque, muitos de seus livros foram adaptados para a TV e o cinema.
Ainda é um dos escritores brasileiros que mais vendeu livros.

Seus livros traçam um verdadeiro e completo quadro do povo brasileiro, em especial do povo baiano. A linguagem simples, marcada por expressões
populares
, a preocupação com os costumes e as tradições populares e o  bom humor fizeram de Jorge Amado um dos mais queridos escritores
brasileiros. Sua vasta produção é comumente dividida em função da temática.

As obras da fase inicial da carreira de Jorge Amado (1912-2001) são ideologicamente marcadas por ideias socialistas. Em romances como O país do
carnaval, Cacau e Suor, o autor retrata, num tom direto, lírico e participante, a miséria e a opressão do trabalhador rural e das classes populares, abordagem
que foi se aprofundando ao longo de sua carreira. A seca, o cangaço, a exploração do trabalhador urbano e rural, o coronelismo são alguns dos temas
abordados.

Tendo a Bahia como espaço social de suas obras, em Capitães da areia, o escritor denuncia o abandono das crianças de rua em Salvador, em Terras do
sem-fim e São Jorge de ilhéus, retrata as lutas entre coronéis do cacau e exportadores. Na fase final de sua obra, em romances como Gabriela, cravo e canela,
Dona Flor e seus dois maridos e Tieta do agreste, entre outros, o escritor compõe um rico painel de costumes da sociedade baiana, em seus aspectos
culturais, comportamentais, linguísticos, religiosos, etc.

Sua vasta produção é comumente dividida em função da temática. Assim encontramos:

DIVISÃO TEMÁTICA DA OBRA DE JORGE AMADO
Romances da Bahia
Romances ligados ao ciclo do cacau
Crônicas de costumes

Romances da Bahia= Que retratam a vida das classes oprimidas na urbana Salvador.
São livros de denúncia das desigualdades sociais. Entre eles destaca-se:
 Capitães da Areia.

Romances ligados ao ciclo do cacau= Que retratam a exploração dos trabalhadores rurais,
pela economia latifundiária no Nordeste. Segundo o próprio Jorge Amado, foi a luta do cacau
que o tornou romancista. Entre esses romances destacam-se:
Cacau e Terras do Sem Fim.

Crônicas de costumes= Que partem dos cenários do agreste e da zona cacaueira para uma
reflexão sobre a vida, os amores e os costumes da sociedade. São desse ciclo as conhecidíssimas
figuras femininas de Jorge Amado, como
Gabriela, cravo e canela; Dona Flor e seus dois
maridos
, Tieta do Agreste e
Teresa Batista cansada de guerra.
                    

                                                     Érico Veríssimo (1905 - 1975)

É o grande representante da região Sul do Brasil nessa segunda fase. E assim como Jorge Amado, também foi muito querido pelo público leitor.
Sua obra é frequentemente dividida em
romances urbanos, históricos e políticos. Em seus romances urbanos analisa os conflitos e os valores de uma sociedade
em crise. Entre os principais livros dessa categoria estão
: Clarissa e Olhai os lírios do campo. A sua grande obra prima é a trilogia histórica O tempo e o vento,
que narra a disputa pelo poder político entre importantes famílias na região Sul. Entre as personagens principais estão Ana Terra e Rodrigo Cambará. O livro Incidente
em Antares
, é um romance político em que Érico Veríssimo explora o absurdo e o fantástico. Num dado momento do romance os coveiros da cidade entram em greve
e os mortos por sua vez, resolvem ressuscitar e denunciar a corrupção e a podridão moral existente na cidade. Ocorre uma fusão entre o plano real e o imaginário.

Obras

Contos

Fantoches
As mãos de meu filho
O ataque
Os devaneios do general
Chico

Romances

Clarissa – 1933
Caminhos cruzados – 1935
Música ao longe – 1936
Um lugar ao sol – 1936
Olhai os lírios do campo – 1938
Saga – 1940
O resto é silêncio – 1943
O tempo e o vento (1ª parte) — O continente – 1949
O tempo e o vento (2ª parte) — O retrato – 1951
O tempo e o vento (3ª parte) — O arquipélago – 1962
O senhor embaixador – 1965
O prisioneiro – 1967
Incidente em Antares – 1971

Literatura infantojuvenil

A vida de Joana d'Arc – 1935
As aventuras do avião vermelho – 1936
Os três porquinhos pobres – 1936
Rosa Maria no castelo encantado – 1936
Meu ABC – 1936
As aventuras de Tibicuera – 1937
O urso com música na barriga – 1938
A vida do elefante Basílio – 1939
Outra vez os três porquinhos – 1939
Viagem à aurora do mundo – 1939
Aventuras no mundo da higiene – 1939
Gente e bichos – 1956

Narrativas de viagens

Gato preto em campo de neve – 1941
A volta do gato preto – 1946
México – 1957
Israel em abril – 1969

Autobiografias

O escritor diante do espelho – 1966 (em "Ficção Completa")
Solo de clarineta – Memórias (1º volume) – 1973
Solo de clarineta – Memórias 2 – 1976 (ed. póstuma, organizada por Flávio L. Chaves)

Ensaios

Brazilian Literature – an Outline – 1945
Mundo velho sem porteira – 1973
Breve história da literatura brasileira – 1995 (tradução de Maria da Glória Bordini)

Biografia

Um certo Henrique Bertaso – 1972

Compilações

Suas obras foram compiladas em três ocasiões:

Obras de Erico Verissimo – 1956 (17 volumes)
Obras completas – 1961 (10 volumes)
Ficção completa – 1966 (5 volumes)

 

 

 

                                                         MURILO MENDES (1901 – 1975)

Rejeitando as modas literárias, foi sempre fiel ao seu espírito inquieto, preocupando-se com o destino do homem, tanto do ponto de vista material
como espiritual. Procurando incorporar uma visão global do ser humano na sua poesia, caminhou por rumos diversos, explorando as potencialidades
linguísticas e exigindo do leitor uma participação ativa na decifração de seus textos.


Obras principais:

Poemas (1930); Histórias do Brasil (1932); Tempo e eternidade (1935), em parceria com Jorge de Lima; A poesia em pânico (1938); O visionário (1941);
As metamorfoses (1941); Mundo enigma (1945); Poesia liberdade (1947); Contemplação de Ouro Preto (1954); Tempo espanhol (1959); Convergência (1970).

                                                          JORGE DE LIMA (1895 – 1953)

Seu livro de estreia, XIV alexandrinos (1914), ainda reflete características parnasianas, que ele depois abandonou em favor de uma poesia coloquial, plena de
reminiscências da infância. Em 1935, enveredou pela temática religiosa, publicando, em parceria com Murilo Mendes, o livro Tempo e eternidade, prosseguindo
depois, sozinho, com A túnica inconsútil (1938) e Anunciação e encontro de Mira-Celi (1950). Sua última obra,
Invenção de Orfeu (1952), é um longo poema de
reflexão sobre a vida humana, a arte e o universo.

 

Poesias

XIV Alexandrinos (1914)
O Mundo do Menino Impossível
 (1925)
Poemas
 (1927)
Novos Poemas
 (1929)
O Acendedor de lampiões
 (1932)
Tempo e Eternidade
 (1935)
A Túnica Inconsútil
 (1938)
Anunciação e encontro de Mira-Celi
 (1943)
Poemas Negros
 (1947)
Livro de Sonetos (1949)
Obra Poética
 (1950)
Invenção de Orfeu
 (1952)
Antologia Poética
 (1969)

Romances

O anjo (1934)
Calunga
 (1935)
A mulher obscura
 (1939)
Guerra dentro do beco
 (1950)

 

 

    

                                                      MÁRIO QUINTANA (1906 – 1994)

Nasceu em Alegrete, no Rio Grande do Sul, foi jornalista e tradutor e, em 1940, lançou seu primeiro livro, A rua dos cata-ventos.
Com raízes no neossimbolismo, o lirismo de Quintana concilia o humor com temas do cotidiano: a infância, a vida, a morte, o amor.
É autor de várias obras, entre elas algumas de literatura infantil. Destacam-se:
Aprendiz de feiticeiro (1950), Pé de pilão (1975), Quintanares (1976),
Lili inventa o mundo (1983), Nariz de vidro (1984).

Obra poética

A Rua dos Cataventos Porto Alegre, Editora do Globo, 1940
Canções - Porto Alegre, Editora do Globo, 1946
Sapato Florido[8] Porto Alegre, Editora do Globo, 1948
O Aprendiz de Feiticeiro - Porto Alegre, Editora Fronteira, 1950
Espelho Mágico - Porto Alegre, Editora do Globo, 1951
Inéditos e Esparsos - Alegrete, Cadernos do Extremo Sul, 1953
Poesias - Porto Alegre, Editora do Globo, 1962
Caderno H[9] Porto Alegre, Editora do Globo, 1973
Apontamentos de História Sobrenatural - Porto Alegre,
Editora do Globo / Instituto Estadual do Livro, 1976


Quintanares- Porto Alegre, Editora do Globo, 1976
A Vaca e o Hipogrifo - Porto Alegre, Garatuja, 1977
Esconderijos do Tempo - Porto Alegre, L&PM, 1980
Baú de Espantos - Porto Alegre - Editora do Globo, 1986
Preparativos de Viagem - Rio de Janeiro - Editora Globo, 1987
Da Preguiça como Método de Trabalho - Rio de Janeiro,1987
Porta Giratória - São Paulo, Editora Globo, 1988
A Cor do Invisível - São Paulo, Editora Globo, 1989
Velório Sem Defunto - Porto Alegre, Mercado Aberto, 1990
Água - Porto Alegre, Artes e Ofícios, 2011
Eu Passarinho - São Paulo, Para gostar de ler 41 , 2006
(Antologiapóstuma)
Poema: Quarteto e Terceto

 

 

Livros infantis

O Batalhão das Letras - Porto Alegre, Editora do Globo, 1948
Pé de Pilão - Petrópolis, Editora Vozes, 1968
Lili inventa o Mundo - Porto Alegre, Mercado Aberto, 1983
Nariz de Vidro - São Paulo, Editora Moderna, 1984
O Sapo Amarelo - Porto Alegre, Mercado Aberto, 1984
Sapato Furado - São Paulo, FTD Editora, 1994

 

Antologias

Nova Antologia Poética - Rio de Janeiro, Ed. do Autor, 1966
Prosa & Verso - Porto Alegre, Editora do Globo, 1978
Chew me up Slowly (Caderno H) - Porto Alegre, Editora do Globo / Riocell, 1978
Na Volta da Esquina - Porto Alegre, L&PM, 1979
Objetos Perdidos y Otros Poemas - Buenos Aires, Calicanto, 1979
Nova Antologia Poética - Rio de Janeiro, Codecri, 1981
Literatura Comentada - Editora Abril, Seleção e Organização Regina Zilberman, 1982
OsMelhores Poemas de Mario Quintana (seleção e introdução de Fausto Cunha)- SãoPaulo, 1983
Primavera Cruza o Rio - Porto Alegre, Editora do Globo, 1985
80 anos de Poesia - São Paulo, Editora Globo, 1986
Trinta Poemas - Porto Alegre, Coordenação do Livro e Literatura da SMC, 1990
Ora Bolas - Porto Alegre, Artes e Ofícios, 1994
Antologia Poética - Porto Alegre, L&PM, 1997
Mario Quintana, Poesia Completa - Rio de Janeiro, Nova Aguilar, 2005

                                    

                                    

 

GRACILIANO RAMOS